martedì, ottobre 31, 2006


The pain we haven't felt is always easier to live with... If that if would have come true, would it trully be easier to bear?



Eternity can be captured in a moment, in life and all it's versions

Time after time - Original video

Time after time - Patti Labelle & Cindy Lauper (1985)

Time after time - Patti Labelle & Cindy Lauper (2004)

Time after time - Acoustic

Time after time - Dilana (Rockstar Supernova)

Time after time - Dilana (Citywalk)

Time after time - INOJ

Time after time - Acoustic Punk Cover

lunedì, ottobre 30, 2006


Ja sei porque este engano me mexe com a alma tao profundamente. E que quando te amei fui poeta, e agora que nao me deixas cantar, que ha mais que eu possa fazer?


And all I wanted was to make YOU holler and look at me doing it instead.

Ain't life a blast?

Maybe thank you II

I should probably thank you for not breaking it off when I couldn't deal with it

I should probably thank you for making you keep the pretense for so long,

How stupid and insensitive of me

My bad

(I am a woman, you know. It is always, somehow, our fault)

Fuck off

Fuck off my mind, I don't want to think of you any longer

Fuck off my heart I don't want miss you either

Fuck off my memories, otherwise you'll ruin what good is still left

Fuck off my life and leave me be, I want to be able to fall asleep normaly again

You are not worth this much misery


I believe the pussycat dolls have been highly missunderstood.

Sensuality and sexuality is and always be a part of female power, at least as long patriarchy rules, and maybe even when it doesn't. Eliminating it actually works in favour of the patriarcal rule. It makes women compete with men as equals, but work twice as hard, get half what they're worth and take a lot of crap still.

Joining the enemy state of mind instead helps women work well in a terrain they know well, pretend they are playing the game and enjoy the gain.

'Dontcha' reinforces the power women have in deciding whether to persuit a relationship, while criticizing male weakness in the choice for partners for life. This makes them prone to search for alternative, but concomitant partners, as they fail to be able to recognize mistaken relationships, no matter how bad they are.

'Buttons' teases on the fact that men think too higly of themselves. They keep on boasting about their aptitudes, but the ability to act on them is dubious. And women go on unsatisfied.

'Beep' insists that women can be both beautifull and intelligent and even then men will only see them for their looks (Ally Mcbeal picks on this topic a number of times). The girls grin at the male weaknes when confronted with female phisical appearence, and their incapability to see anything beyond it. And women will just go on living their lives while men just stop when struck by beauty.

So, to sum up, women are portrayed as beutifull, intelligent and in power, while men are said to be weak, unfulfilling and accomodated.

Now I am going to go out on a limb and risk say that the Pussycats are actually promoting the fact that however they dress, however they look, they are women in charge of their bodies, and they will only do what they want to be done with them.

If this is not a trully feminist view, I don't know what is. And girls will much rather listen to something this entertaining and appealing that read boring books and listen to dull, radical women.

Do not stomp on shallow... It is often deeper than you think. You just have to read between the lines.


If you visit a male prison, you will find all sorts of criminals: thieves, murderers, rapists, arsenists... Men don't discriminate, they offend their women, their mothers, their children, their lovers, and even their state.

If you visit a female prison, there will be murderers too, we are not less violent than men, often we are even more. Specially because most of these offences are in retaliation of a husband, a lover, or a male who tried to force his love on her.

Have you ever wondered why? There is a reason for this. We do everything with passion. Especially when our pacience is tested to the limit. And more often than not it is.

Chicago is one of my favorite movies ever. It is a clever, witty, satirical and ligth social portrait, not only Chicago in the 20's but womanhood in general. Women in the musical are all but the fairer sex. They are manipulative, determined, ambicious, at times insensitive and assertive. And yet they are also gentle and mostly disapointed at the fact that they have no one to fend them but themselves.

The Cell Block Tango (do watch the video, it is more than worth the wile) is the most genial movie scene I have ever seen. And to see how we are damned if we do and damned if we don't, the only innocent women in the lot is the one to be condemned to death.


He had it coming
He had it coming
He only had himself to blame
If you'd have been there
If you'd have seen it
I betcha you would have done the same!

Liz: You know how some people have those habits that get you down? Like Bernie. Bernie liked to chew gum. No, not chew. POP. So I come home from work one night and I'm real irritated, and I'm looking for a little sympathy. And there's Bernie, lying on the couch, drinking a beer and chewin'. No, not chewin'. POPPIN'. So I said "If you pop that gum one more time..." And he did. So I took the shotgun off the wall and fired two warning shots... into his head.

Annie: I met Ezekiel Young from Salt Lake city about two years ago and he told me he was single and we hit it off right away. So, we started living together. He'd go to work, he'd come home, I'd fix him a drink, we'd have dinner. And then I found out. "Single" he told me. Single, my ass. Not only was he married... oh, no, he had six wives. One of those Mormons, you know. So that night, when he came home, I fixed him his drink as usual. You know, some guys just can't hold their arsenic.

He had it coming
He had it coming
He took a flower
In its prime
And then he used it
And he abused it
It was a murder
But not a crime!

June: I'm standin' in the kitchen, carving up a chicken for dinner, minding my own business, when in storms my husband, Wilbur, in a jealous rage. "You've been screwing the milkman," he said. He was crazy, and he kept on screaming, "You've been screwing the milkman." And then he ran into my knife... he ran into my knife ten times.

Hunyak: Mit keresek én itt? Azt mondják, a híres lakóm lefogta a férjem, én meg lecsaptam a fejét. De nem igaz. Én ártatlan vagyok. Nem tudom, miért mondja Uncle Sam, hogy én tettem. Próbáltam a rendörségen megmagyarázni, de nem értették meg.
(Translated from Hungarian, it means: What am I doing here? They say my famous tenant held down my husband and I chopped his head off. But it's not true. I am innocent. I don't know why Uncle Sam says I did it. I tried to explain at the police station but they didn't understand.)

June: Yeah, but di you do it?

Hunyak: UH UH, not guilty!

Velma Kelly: My sister Veronica and I had this double act, and my husband Charlie traveled around with us. Now for the last number in our act we did these 20 acrobatic tricks in a row: one, two, three, four, five, splits, spread-eagles, back-flips, flip-flops, one right after the other. So this one night before the show we're at the hotel Cicero, the three of us boozin, having a few laughs, and we run out of ice, so I run out to get some. I come back, open the door, and there's Veronica and Charlie doing number 17, the spread-eagle. Well, I was in such a state of shock that I completely blacked out; I can't remember a thing. It wasn't until later, when I was washing the blood off my hands, I even knew they were dead.

They had it coming
They had it coming
They had it coming
They had it coming
They had it coming all along
They had it coming all along
I didn't do it
She didn't do it
But if I done it
But if she done it
How could you tell me that I was wrong?

Mona: I loved Al Lipshitz more than I could say. He was a real artistic type, a painter. He was always trying to find himself. He'd go out every night looking for himself. And on the way, he found Ruth. Gladys. Rosemary. And Irving. I guess you could say we broke up because of artistic differences. He saw himself as alive. And I saw him dead.

They had it comin
All along
Cause if they used us
And they abused us
How could you tell us that we were wrong?

IQ and EQ

Although my IQ is supposed to be above average, my logical deduction is below

As for my EQ, I am just below or average. I do not know how to react when people hurt me, and voice my feelings; I have problems recognizing my mistakes an thus appologise for them; and I cannot remember what other shortcommings that come with being emotionally average.

However right the results might be, both IQ and EQ tests can kiss my ass!

domenica, ottobre 29, 2006

Maybe thank you

Maybe it is not you
But it is deffinetly all you can do

I'll be sure to demand it
Because I know it exists

For showing it to me

Thank you!

sabato, ottobre 28, 2006

Oh, who am I kidding II

However betrayed I feel... of my trust for you, of my hope for love, for life, for a future, for us...

However saddened that I could have been wrong and that I could have been right... wrong in trusting you, right in being on the guard... wrong in believing it was you, right in saying goodbye before you said goodbye... wrong in believing you were true, you cared and found me special, right in paying attention to my friends instead of trusting fully in your words as you'd rather had me do...

However disapointed I am for your lack of courage, for your deceit and lies

However unhappy that I feel that you make me feel so unimportant and worthless... of even a beg for excuse...

I can't bring myself but to think that I know you, and I couldn't have been this wrong, and why is it I still trust you, and I still feel you are the one?

I know, I know, it is only natural when having to face the inevitability of a break up: the denial, the unacceptance...

For once in life I want to freely feel the pain... rationality is not always the answer

I know

I have known all along

I just couldn't accept it

I wanted to believe

I had faith

And it will guide me, and it will get me by

You mey call me denialist by nature and rationalist for survival

But in the end I have always been right

I am special, it was special, we were special

You'll see...

Oh, yeah! Delusional too

I cannot accept

I caanot accept that I am not entitled to feel hurt
I cannot accept that I have to accept that the world is like this
I cannot accept that life has to be cruel
I cannot accept that that I have to become smarter in love
I cannot accept that the concept of being smart in love is loving less
I cannot accept that people are able to exclude each other from their lives as easy as this
I cannot accept that people do not search and keep special bonds

But that is just me, I have spent my life not accepting reality
As a concequence I am not accepted too

Can't get with the program? The programme won't get with you.

And there is nothing else to it... It's the shitty life

giovedì, ottobre 26, 2006

who I am

they say:

About fear of exposure
- I tend to live without fear and my honesty is my charm

About my talents
- I have a gift for bringing people together and my presence is unvaluable

About how I react when conflict emerges
- What matters to me is the end result, I am self-asured and speak my mind without fear

About the image I have of myself
- I do not compare myself to anyone, and I am not worried about it

About how I react when faced with unpredictable and unpleasent surprises
- Surprises don't bother me, I am always patient and adapt easily

About how I react to the end of a relationship
- I worry about what others might say, I feel unhappy but I do not even think about fighting back

They could be wrong

(from a japanese personality test, sent surely by providence and devine interference - I am loved and protected)

just words







Oh, who am I kidding

I hate you... I do hate you... Here and now I hate you. I won't hate you long, but I do hate you


I am hurt, of course I am hurt. Who wouldn't be?

It is only natural...

I don't know how long it will be... It is just sinking in...

My aim: not to hate you. You are trully not worth the bodder... specially if you think so little of me.


I can't stop thinking

That there where too many lies
Too much decieving
Too much expense

For just one night stand

I didn't think I was worth that much...

You really do make me feel special


mercoledì, ottobre 25, 2006

No way

Trully you are good... I never saw you comming... as I well expected.

Surely people choose to see only what they want to see. And however surprising, I am not surprided at all...

Disapointed, though... You could have done it better. Much, much better.

martedì, ottobre 24, 2006

Life (about it's meaning and meaninglessness)

Life is about thinking about life and the senslessness that it is

But it is also about living it, so you can think about what sense to make of it

It is beyond irony, it is beyond play... It just is

This is why S/He is who is... realising that things just are does not make us closer to, makes us become...

Enjoy, realise... absurdity is not despare, and sense is just another way of the machine... As soon as you understand, you don't need to understand anything anymore. You won't question, you'll accept and let it pass by.

Perfect it, master it... this is the essence of life, and than it isn't.

domenica, ottobre 22, 2006

Realidade e Ficcao

(excerto e adaptacao de uma conversa entre um cavaleiro e uma bruxa, a beira de um lago dentro de uma floresta negra e cerrada, numa noite de lua cheia, testemunhado desde a penumbra por toda uma serie de criaturas do bosque e da floresta)

Gosto de ficar tonta... Quando entro em situacoes assim, em que nao sei o que fazer (e acredita, essas sao muito poucas, porque como disse tenho controle perfeito sobre a minha vida, o meu destino, a minha existencia) fico viciada... E assim: seria o equivalente em dizer que como bruxa nunca me contentaria com um comum mortal... Alguns mortais conseguem passar as primeiras barreiras, mas depois ficam demasiado enfadonhos... e acabam por me aborrecer. Gente que me deixa tonta, definitivamente nao pode ser comum mortal...

Neste momento estou num carrossel... entreguei a minha alma a um demonio, que brinca com ela como bem lhe apetece... bruxas e demonios vao muito bem... e parece que os demonios sao os unicos que nos conseguem domar... o que e uma alternativa a nossa propensao para dominar e domar as almas dos outros.

Mas obviamente nao estou completa, senao nao estariamos a ter esta conversa...

Nao estou completa porque o carrossel implica que umas vezes sei onde estou, mas maior parte das vezes nao sei... nao estou completa porque uma fugaz aparicao dele me faz sentir incalculavelmente feliz e o resto do tempo (quando ele nao me aparece) sinto um vazio intoleravel... Nao estou completa porque embora nao seja isto que eu queira, nao consigo dizer que nao ou 'vai-te embora', e mais parece que ele e que e o bruxo e que me colocou sob algum encantamento...

Enfim... o que me completaria era ter um companheiro que nao me deixasse sentir nenhum vazio, estivesse ou nao ao meu lado... Nao procuro uma alma gemea... isso ja encontrei e ja perdi (ao contrario das fantasias propagadas por ai, as almas gemeas nao necessitam permanecer justas... mas e bom encontra-las, reconhece-las, para se saber distinguir das novas almas que vao se cruzar no nosso caminho e nao cairmos na ilusao que elas nos complementarao na perfeicao). Mas procuro alguem que me encante a alma... que me surpreenda... que seja imaginativo... para quem eu seja o centro do mundo... e que nao se imagine a viver sem mim na sua vida... porque e assim que eu me entrego... e preciso de alguem que se entregue assim... (e isto, qualquer alma com vontade pode fazer, nao precisa de ser gemea).

Sei que e um desejo muito comum... que nao sou a unica que sonha com isto assim... mas e o que me completaria... e o que procuro... e este demonio fez-me pensar que tinha encontrado.

Quando conheci a minha alma gemea tambem nos separamos abruptamente (por vontade dele, nao minha) e eu fiquei com a sensacao que a nossa historia nao tinha terminado... que ele estava enganado... que o perceberia mais tarde...

E dificil explicar as intuicoes de uma bruxa... e dificil acreditar nelas. Ate para mim... especialmente quando elas contrariam todas evidencias... Mas nao me enganei dessa vez... e nao creio estar enganada agora...

Mas e-me dificil conviver com a possibilidade de estar a espera de algo que me parece pouco plausivel ou que possa ser uma ilusao devida aos meus desejos carnais ou expectativas emocionais. As vezes acredito que sou uma mera mulher (com a ilusao de conseguir sentir para alem do que outras mulheres sentem). Tenho evidencias do contrario... mas mesmo assim hesito.

Como se pode ter a certeza? Como se sabe a fronteira entre a realidade e a ilusao? Entre o verdadeiro e o desejo?

Se um dia encontrar a resposta partilho contigo... se nao, continuarei continuamente a procura desta felicidade que sempre me ilude... E sempre a olhar para tras e a saber que ainda assim valeu a pena.

giovedì, ottobre 19, 2006

Guess what

Passa o tempo e o sentimento de denial aumenta... mas esta historia nao a sinto terminada.

A bruxa e o diabo, ainda estou para ver no que isto da... Nao se diz que elas entregam a alma a eles?

martedì, ottobre 10, 2006

My love,

Reescrevi e reli esta “carta” umas quantas vezes. Nada do que escrevo me parece adequado ou apropriado. Mas já sabemos como eu me sinto desadequada sempre que falo contigo. Acho sempre que estou a dizer a coisa errada, que estou a pensar a coisa errada ou até que estou a viver o momento errado…

Não é fácil lidar com isso. Como não tem sido fácil lidar com o teu silêncio, como claramente podes imaginar. E creio que esta minha dificuldade já não tem a ver com a minha personalidade, mas com uma situação em que qualquer outra pessoa sentiria o mesmo desconforto. Obviamente que por causa disso tenho experimentado momentos e sentimentos contraditórios. Sentimentos e pensamentos que gostaria de partilhar contigo. Possivelmente acharas alguns injustificados, mas sem diálogo e interlocução é difícil saber o que pensar, e o cérebro recheia os vazios com as interpretações que mais lhe parecem adequadas.

Tenho pensado imenso em nós… em ti… em todas coisas que já me disseste, como disseste e quando disseste. Tenho tentado encontrar sentido no teu contínuo silêncio partindo do pouco que conheço de ti e o resto que conheço do mundo, da minha experiência pessoal. E mesmo assim continuo sem certezas… e sem certezas não consigo tomar decisões.

Obviamente que penso continuamente que um silencio tão profundo e permanente é sinónimo de uma necessidade de afastamento. Quer tu aceites, quer não, sabes que é impossível que não pense assim. Independentemente de pensares que tens razões plausíveis e genuínas, que te mantêm ocupado e incapaz de te comunicares. A verdade é que a necessidade de afastamento está estampada exactamente nessa incapacidade, que em certos momentos será mais falta de vontade e energia tua que uma real incapacidade de comunicar. Eu sei, porque também eu tenho momentos de absoluto desgaste físico e emocional por causa do stress no trabalho. Sei também que nada dura para sempre. Mas acima de tudo sei que independentemente do volume de trabalho que se tenha, quando se quer alguém, quando se pensa em alguém, quando se está para alguém, arranja-se uma maneira. E eu sei que tu quando queres algo, não há nada que te impeça de conseguir. És determinado, és preserverante, és constante e és presente. E não aceitas não como resposta… mas isso é toda uma outra história.

E é por não conseguir deixar de pensar nesta tua óbvia necessidade de afastamento que tento equacionar as possíveis razões que te levam a ela. Penso como é que contribui para que ela acontecesse. E penso no que poderia ter evitado ou previsto como consequência de acções minhas.

Ainda acredito no processo natural das coisas. Que as coisas acontecem todas no seu devido momento e pelas devidas razões. E que não é preciso forçar nem apressar nada. Por isso acho que não posso tentar ser outra pessoa, tentar voltar atrás no tempo e corrigir as coisas que possa ter feito erradas. A única coisa que posso fazer é viver com as consequências daquilo que já fiz e aprender para o futuro.

Mas uma coisa que não consigo evitar pensar é que te desapontei um pouco… um pouco que seja. Penso constantemente que não sou a pessoa que tu imaginaste que eu fosse. Não que eu ache que me colocaste num pedestal e viste mais em mim do que aquilo que eu sou… mas talvez que não tenhas visto tudo o que eu sou. Penso frequentemente que tu gostas de mim decidida, segura, racional e forte. E que te incomoda o meu lado mais infantil, emocional, inseguro e carente. Não consigo deixar de pensar na primeira vez em que saímos, em que eu passei horas a falar sobre sexo, sexualidade e a minha relação com a sensualidade, e como da única vez que tive oportunidade de estar contigo não só não fui nada do que afirmei ser, estive muito longe disso. Ao menos tu tiveste coragem de me dizer que poderia ter sido melhor… Eu devia ter tido a mesma coragem, e devia ter-te pedido desculpas também.

Não, não te menti quando te disse que para mim tinha sido perfeito… Foi… foi perfeito por toda uma série de razões que não te consigo explicar no espaço de poucas linhas. Por toda uma série de medos e dúvidas que me iam na cabeça. Por toda uma série de coisas que descobri e que me deixaram como estou hoje, em relação a ti.

Eu desapontei-me a mim mesma. Nas coisas que te estou a dizer, eu desapontei-me a mim mesma. Desapontei-me pela falta de reacção que tenho quando estou perto de ti. Do medo que tenho de te dizer as coisas que vão cá dentro, e quando as digo, saem completamente ao contrário do que é a minha intenção… completamente como não sou… completamente idiota, insegura, agressiva e aparentemente possessiva.

Sinto que te sufoco. Sinto que exijo coisas que não me podes dar (ou que tu sentes que assim o faça). E não sei como parar. Não faço porque quero… não faço porque acho que tem que ser assim… na verdade odeio que o faça. E claro que posso sempre dizer que o faço em reacção a ti. Em reacção a certos momentos em que pareces mais distante e indiferente. Mas não é justificação, claro. Não é como gosto de ser… mas tenho sido assim, não é?

Fico a pensar constantemente donde vem esta minha impotência, esta minha incapacidade de reacção quando estou contigo. Não vem de insegurança, certamente, porque até onde vi, tu esforças-te para que ninguém se sinta inseguro por coisas que tu fazes (segundo palavras tuas). Mas como te disse já uma vez, não sei como reagir quando me tratam bem… talvez seja isso. Da mesma forma como não consigo traçar o limite quando me tratam mal, embora perceba quando isso está a acontecer e isso me faça infeliz.

Tento equacionar se estes desapontamentos em relação a minha pessoa são tão fundamentais que te levem a não quereres lidar mais comigo. Que te levem a não querer continuar a tentar. Que te levem a desistir de apostar na possibilidade. Tudo e possível. Quando há incógnitas, tudo são hipóteses, e quando há hipóteses as possibilidades são infinitas.

É para construir as minhas hipóteses e equacionar as minhas possibilidades que reconstruo o passado. Tento perceber o que devo pensar. E não consigo deixar de pensar que tenho que te dar o espaço que me pareces estar a pedir. O distanciamento que me pareces estar a exigir. Que admita para mim mesma que por muito que tu sejas exactamente o que eu estava à procura, eu possa não ser, nem de longe, nem de perto o que tu precisas ou estas à procura. E eu nem de longe, nem de perto imagino o que isso possa ser. Só sinto continuamente que não sou eu.

E depois vem as mensagens da outra semana, no meio desta torrente de pensamentos. Voltei a achar que podia voltar a escrever, que podia voltar a tentar telefonar. Tento fingir que não me importa se não me atendes, se não me respondes, porque entendo que estas ocupado, demasiado ocupado e cansado. Tento fingir que não me faz falta que me mandes sms, e que até já nem as espero, mas a verdade é que cada vez que o telefone vibra tenho esperança que sejas por uma chamada ou mensagem tua.

E no meio disto tudo não consigo. Não consigo, apesar de pensar em tudo isto, desistir. Não consigo por imensas razões. A mais importante das quais e porque tu me fazes feliz. A memória de ti faz-me feliz. Tu sabes dar-me o que eu preciso sem que eu te precise de pedir. Tu surpreendes-me. Tu deslumbras-me. E tortura-me que eu não tenha o mesmo efeito sobre ti.

Uma vez perguntaste-me o que me tinha feito decidir ir ter contigo finalmente. E eu disse que se me tinham esgotado as desculpas. Sim… resisti-te tempo demais. Talvez perdi oportunidades que deveria ter aproveitado. Mas não creio. Parece um absurdo que pense em ti da mesma forma hoje, com todas estas incógnitas, como quando estive contigo, e talvez até como quando dançamos em minha casa. A única diferença é que parei de resistir. E na verdade não era a ti que eu estava a resistir. Era a mim mesma. A relação à distância que não estava disposta a encarar na altura, era tanto por ti como por mim. Não cria que tu fosses capaz… não cria que eu aguentaria se tu não fosses capaz. Não és uma pessoa com quem alguma vez estive disposta a ter uma aventura, uma coisa fugaz… não porque não o seja capaz de o fazer. O mundo esta cheio de coisas sem sentido e tudo é passageiro mesmo. Mas acho-te interessante demais para que estejamos ambos na lista mútua do ‘been there, done that’. Acho que vales mais, muito mais. Acho que valho mais, muito mais.

Tenho uma curiosidade que ainda não foi satisfeita. Tenho um desejo que ainda não foi saciado. E peço imensas desculpas se os lábios em que penso quando me falta um beijo são os teus. Se os braços que me faltam para me abraçar à noite por baixo das mantas são os teus. Se o vazio que sinto é da falta do teu corpo encaixado em mim. Peço desculpas se não consigo parar de fantasiar contigo. Peço desculpas se andei mais depressa do que deveria ter andado. Mas creio que não. Se sinto o que sinto, tu fizeste-me sentir assim. Se não tenho medo de to dizer, tu me deste esse espaço. Se te quero assim, é porque sinto que me queres também. Pode não ser pelos mesmos motivos. Pode até nem ter a mesma importância que para mim… Podes não ter a mesma necessidade, pode nem te fazer a mesma diferença…

Claro que posso estar completamente errada. Posso estar com coisas na cabeça, como tu gostas de dizer… mas creio que não. E espero que da próxima vez que tiveres os diálogos internos que tu gostas tanto de ter, em que mais ninguém participa a não ser tu, penses em tudo o que acabei de te dizer. Porque é importante que saibas como eu me sinto e o que estou a pensar. Que quando fizeres coisas que me afectam tomes tudo isto em consideração. E porque não tenho intenção de passar despercebida e sem importância na tua vida.

E acima de tudo porque tu (ainda) me kuias


sabato, ottobre 07, 2006

I stand corrected (by myself)

Once I told Paradise (yes, I still have him in my heart and memory - he did make me happy when I most needed it)... Anyways, I once told him that I did not deal well with being well treated. I stand corrected, I do not deal well with high expectations.

I find that people tend to exagerate on how good I am with whatever they view I am good at. That builds up expectation, and expectations are easy to shatter. No one is ever as good as one hopes them to be.

And hell it is a long que of people to be responsible for, at the end of the day, and an even longer que to have disabointed at the end of each hour...

In the end I am just like anybody else... plain, simple, common, uninteresting, and boring... the difference, I have better self-marketing skills. Don't ask me why, and sure as hell they have not been to my favour (in the end)... people want other plain, simple, common, uninteresting, and boring prople, with lesser self-marketing skills... they are probably truer people.


I hate life, I hate being a woman, I hate being this woman, I hate the fact that I think therefore I am... I just hate everything, and no, love is never the answer... love is everything but the answer... love is just something between hating something and hating something else... and this is a worst hate, because it is not filled with rage... it just is... it is the paramout level, a cynical view of it all, the ultimate understanding that I will never have it my way, no matter how much (and probably and mostly because) I do it all my way.

venerdì, ottobre 06, 2006

Deap meaning

The search for the Ultimate Answer

According to The Hitchhiker's Guide to the Galaxy (Douglas Adams), researchers from a pan-dimensional, hyper-intelligent race of beings constructed the second greatest computer in all of time and space, Deep Thought, to calculate the Ultimate Answer to Life, the Universe, and Everything. After seven and a half million years of pondering the question, Deep Thought provides the answer: "forty-two." The reaction:

"Forty-two!" yelled Loonquawl. "Is that all you've got to show for seven and a half million years' work?"
"I checked it very thoroughly," said the computer, "and that quite definitely is the answer. I think the problem, to be quite honest with you, is that you've never actually known what the question is."